Escolas do usam a meditação para estimular o aperfeiçoamento pessoal dos estudantes e professores

24 03

2016

Quanta coisa aprendemos na nossa vida escolar não é mesmo? Raízes quadradas, Celomas, Mol, Orações subordinadas, Números irracionais, Geometria molecular, Dilatação térmica, Fossas oceânicas, e a lista segue… mas será que é isso mesmo que a vida nos quando crescemos?

Foi essa pergunta que motivou um grupo de pessoas a criar um projeto chamado MindEduca, no Espírito Santo, com a premissa de levar o conhecimento científico que engloba o desenvolvimento humano, com o objetivo de estimular o aperfeiçoamento pessoal, e consequentemente, em grupo. A meditação leva os estudantes a terem uma melhora de atenção e de aprendizagem, a diminuição do stress e a conscientização de qualidades como a amorosidade e o desapego.

Essa atitude me deixou muito feliz e intrigada. Há pouco tempo, vimos aquele caso que ficou famoso do aluno, do ensino fundamental, que de tão estressado e raivoso, entrou na sala dos professores de sua escola e quebrou praticamente tudo que estava a sua frente. Saber que há pessoas que se preocupam com o bem estar das crianças na escola me deixa feliz, pessoas que não querem só usar o cérebro delas como um HD armazenador que chega em casa com os olhos cansados e dores de cabeça. A final de contas a escola é também um lugar humanizador. É bom sempre pensar em que tipo de escola estamos colocando os nossos filhos, e em que tipo de experiencias que queremos que eles tenham neste espaço.

meditação

Regina Migliori, consultora em Cultura de Paz da Unesco que está colaborando com o projeto afirma: “Essa formação abordará a relação da pessoa consigo mesma, com suas ações no mundo e com a vida. Tem, ainda, o propósito de estimular a transformação pessoal de educadores em torno dos seguintes aspectos: emoções, atenção, convivência e processo decisório. Proporcionando, assim, a mudança de comportamento em seus contextos de vida

Após o sucesso de um teste do projeto que foi realizado em escolas do município de Serra, em 2014, o projeto será implementado aos poucos nas escolas das redes estadual e municipais do Espírito Santo, começando por uma etapa 100% dedicada aos educadores. Um alívio, não?

Como seria a história se Harry Potter tivesse escolhido o lado das trevas?

20 03

2016

O canal BloodBlitz Comedy divulgou um vídeo mostrando como seria se o personagem principal, Harry Potter, fosse o vilão da saga homônima. As imagens cortadas mostram pequenas cenas em que o garoto mostra nervosismo e, às vezes, alguns traços de violência. Isso, junto com a trilha sonora certa, nos faz ver como seria se um dos personagens mais admirados do mundo, seguisse os passos de Lord Voldemort. Veja:

O vídeo, na verdade, mostra o que Harry poderia ter se tornado caso tivesse seguido para o lado das trevas. Não é novidade para os fãs que são as escolhas do menino que o fazem diferente de Tom Riddle, o adolescente que se tornou Lord Voldemort, um simples pensamento diferente que tivesse passado na cabeça de Harry, poderia ter tornado o garoto como vemos no vídeo, e se ele fosse realmente mal, talvez seria pior do que  Lord Voldemort.

Fight like a GIRL: um projeto sobre mulheres fortes da fantasia que inspiram o mundo real

08 03

2016

destaque

“- Você luta como uma garota.
– Obrigada!”

A expressão que sempre foi (e infelizmente ainda é) utilizada de forma pejorativa agora vem ganhando força como elogio!! A desenvolvedora de games Carolina Porfírio (ou Kaol Porfírio) criou uma série de ilustrações em homenagem às mulheres fortes! Não necessariamente fortes de força bruta, músculo, mas personagens que não estão lá para serem salvas no topo do castelo e muito menos para serem o par romântico indefeso do personagem principal, não dependem de homem nenhum para serem quem são. Estamos falando de personagens femininas que sabem lutar pelos seus ideais, são confiantes e que inspiram muito as mulheres reais! Elas não precisam usar roupas hiper sexualizadas para chamar atenção e foram criadas para ter um papel forte dentro das suas tramas, muitas vezes sendo até as personagens principais.

Vejam algumas das imagens que ela já criou para essa série que, até agora, não tem previsão de fim:

arya_fight_like_a_girl

beatrix_fight_like_a_girl

Em entrevista para a Revista Fórum, Carolina conta que criou o projeto como desabafo:

É certo que nós, mulheres, somos pouco – e muitas vezes mal – representadas em jogos, filmes e séries. São poucas as mulheres das quais podemos nos orgulhar, que não são hipersexualizadas, que são protagonistas ou possuem um papel forte na trama.

É bacana ver que em cada publicação na sua página, Carolina conta um pouco sobre a personagem escolhida!

hermione_fight_like_a_girl

chihiro_fight_like_a_girl

hitgirl_fight_like_a_girl

katniss_fight_like_a_girl

ramona_fight_like_a_girl

A Carolina também fez ilustrações de mulheres reais para Think Olga como mostramos algumas aqui! Vocês podem ver por aqui toda essa coleção. 

Muito legal o que ela faz né? A loja Toda Frida fez uma parceria com ela e criou uma série de camisas com essas estampas! Conhecer um pouco mais dessas mulheres poderosas que inspiram muitas de nós no dia a dia :) é muito bom, pesquise mais sobre elas, e perceba que você pode ser uma inspiração também.

Youtube homenageia mulheres que fizeram a diferença no mundo, com mulheres que estão fazendo a diferença agora

08 03

2016

o Youtube está fazendo uma enorme campanha para empoderar e iluminar mulheres criadoras em 2016.

Para isso eles convidaram sete mulheres que são youtubers e que encontraram suas vozes através de seus vídeoa – a brasileira Jout Jout está inclusa nisso tudo– para homenagearem suas sete heroínas particulares. O resultado pode ser visto no vídeo que segue, chamado 100 Years of Incredible Woman (100 anos de mulheres incríveis).

A campanha foi feita de maneira com que as convidadas escolhessem mulheres que elas admiravam para prestar uma homenagem, e vestirem como tal, para lembrarem a todas as mulheres que o mundo sempre foi um mundo cruel com elas, e que não é agora que devem desistir. A homenageadas são: a atriz Katherine Hepburn, a empresária Madam C.J. Walker, uma das pioneiras da aviação Amelia Earhart, a escritora e militante brasileira Pagú, a pintora mexicana Frida Kahlo, a atriz Marilyn Monroe e a performer, artista plástica e ativista Yoko Ono. Todas elas lutaram, e muito, contra as adversidades, perseguições, racismo, desigualdade e machismo para que suas vozes fossem ouvidas

Com isso, o Youtube espera alcançar o maior número de mulheres possíveis, e se preciso, que elas façam vídeos para que suas vozes sejam ouvidas. E você, quem é a sua heroína? Até quando vai se calar?

MULHERES2

MULHERES4

MULHERES3

MULHERES7

MULHERES1

MULHERES6

MULHERES5

E ainda se questionam o porquê da internet estar tirando o telespectador da televisão….

Conheça três poetas brasileiros que desfrutam da “antipoética”

05 03

2016

Quando pensamos em poesia, a primeira coisa que nos vem a mente são textos cheios de sentimentalismos, melancolia, subjetividade e musicalidade. Este lirismo  objetiva a transcendência com construções desprovidas de imparcialidade e cientificidade.

Com este conhecimento prévio sobre a poesia, não conseguimos associar à ela palavras como pedra, fezes, escarro, depressão. Mas é claro que a poesia também dá conta de temas como esse, e palavras como essas, e grandes artistas as usam como seu fazer poético, para conseguir o máximo de significação a cada expressão e chegar à poesia crua da realidade, sem ilusões, sem romantismo. Chamamos de antipoética esta quebra de perspectiva, e existem vários e bons poetas que não podemos deixar de ler, e que nos surpreendem:

Dante Milano (1899-1991), carioca. Da poesia de Milano, Paulo Mendes Campos afirma: “procuro uma fresta lírica, um respiradouro, e chego à antiga conclusão: esta poesia é sinistra, nua, desértica.”

Seguem trechos do poema Objeto de Arte:

“Corpo de ancas opulentas,

Mulher de Angkor,
Coxas e tetas pedrentas
De árduo lavor.

Pedra, lição de escultura,
Da verdadeira
Carnadura, carne dura
Mais que a madeira […]

Ou então pedra-sabão,
Pedra-profeta,
Que da fêmea a carnação
Não interpreta.”

João Cabral de Melo Neto (1920-1999), pernambucano. Escreveu a importantíssima obra Morte e Vida Severina. Ganhador dos prêmios Olavo Bilac, Luís de Camões e Jabuti.

Falou sobre o fazer poético em Catar Feijão:

“Catar feijão se limita com escrever:

joga-se os grãos na água do alguidar

e as palavras na folha de papel;

e depois, joga-se fora o que boiar.”

Vale a pena conferir O Cão sem plumas em que, assim como em A Educação pela pedra (transcrito abaixo), o autor aborda a realidade social brasileira:

“No Sertão a pedra não sabe lecionar,

e se lecionasse, não ensinaria nada;

lá não se aprende a pedra: lá a pedra,

uma pedra de nascença, entranha a alma.”

E, enfim, o poema em que o poeta exprime o que é para ele a poesia:

“Poesia, te escrevia:
flor! Conhecendo
que és fezes. Fezes
como qualquer,
gerando cogumelos
(raros, frágeis cogu-
melos) no úmido
calor de nossa boca.”

 

Augusto dos Anjos (1884-1914), paraibano. No poema Psicologia de um vencidodeclarou-se:

“Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênese da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.”

 

E no primeiro terceto de Versos íntimos o autor traz um conselho:

“Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.”

Fonte: Literatortura

© 2018 MixSea | Desenvolvido no Wordpress por Dk Ribeiro