8 vídeos com poemas de Manoel de Barros e suas levezas

03 06

2016

O próprio Manoel diz em uma entrevista no documentário “Só dez por centro é mentira”: “a invenção é uma coisa que serve pra aumentar o mundo”, e é assim que o poeta nos aumenta, nos inventa. Manoel de Barros é um poeta de levezas, as palavras que ele escreve voam sobre as páginas de seus livros ao ponto de, muitas vezes, estarmos diante de palavras que se desmancham ao primeiro som de uma voz.

De mundo aumentado, todos pensamos, queremos e podemos mais. Sendo assim, selecionamos uma série de vídeos com poemas de Manoel de Barros que vão encantar você, já que não poderia ser diferente. Confira:

Historias da unha do dedão do pé do fim do mundo

A Poesia está guardada nas palavras

Escritos em verbal de ave

Agramática

Difícil fotografar o silêncio

Poeminha em língua de brincar

O Apanhador de Desperdícios

Mundo Pequeno e Autorretrato

Poema bônus:

O fazedor de amanhecer

Sou leso em tratagens com máquina.
Tenho desapetite para inventar coisas prestáveis.
Em toda a minha vida só engenhei
3 máquinas
Como sejam:
Uma pequena manivela para pegar no sono.
Um fazedor de amanhecer
para usamentos de poetas
E um platinado de mandioca para o
fordeco de meu irmão.
Cheguei de ganhar um prêmio das indústrias
automobilísticas pelo Platinado de Mandioca.
Fui aclamado de idiota pela maioria
das autoridades na entrega do prêmio.
Pelo que fiquei um tanto soberbo.
E a glória entronizou-se para sempre
em minha existência.

Inspiração: NotaTerapia

Resultado do sorteio de aniversário 2016 – Instagram

29 05

2016

Depois de um mês de sorteio, chegamos ao ganhador!

As regras eram:

1) Siguir o nosso perfil @omixsea

2) Indicar 3 perfis de amigos nos comentários (não valendo perfil de famosos)

3) Curtir a foto do sorteio no instagram

Itens do sorteio:

1 livro “Os Contos de Beedle, o Bardo” de JK Rowling + 1 pen drive do Darth Vader de 8GB

Data do sorteio estava marcada para o dia 28/05/2016, e por questões de queda de internet fizemos no dia 29/05/2016

Participantes:

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

O número da ganhadora foi gerado pelo site sorteador.com.br que gera números aleatórios para sorteios.

resultado

Ganhadora e cumprimento das regras:

Marcar 3 amigos no comentário

ganhador

Seguir o nosso perfil

ganhador

Curtir a foto

ganhador

 

Parabéns Bruno Mender! Pode aguardar que já já os seus brindes chegam!

Até o próximo sorteio pessoal, continuem conosco!

Contagem de mortes do Homem de Ferro e Capitão America

28 05

2016

Recentemente estreou nos cinemas o filme Capitão America- Guerra Civil, no filmes mostra o confronto de duas equipes: uma que apoia o registro dos super heróis, onde vemos o Iron Man e como”líder”, e outra que é contra o registro e que tem como “líder” o Capitão America.  O filme, é claro, contém algumas cenas de lutas entre os dois, mas você seria capaz de dizer quantas pessoas e robôs cada um dos dois matou???

Meio difícil né?! Visto que são tantos filmes e que nem sempre as mortes ficam tão evidentes assim nos filmes da Marvel, mas o pessoal do canal Mr Sunday Movies fez um vídeo para cada herói fazendo a contagem de mortes cada um leva em sua consciência, veja abaixo os videos:

Os videos são bem interessantes, e nos mostram um lado da Marvel que não fica quase nada evidente, afinal de contas, todo mundo já ouviu aquela frase “mas não morre ninguém nesses filmes” e com esses videos vimos que não é bem assim. E lembrando que esses videos não levam em conta os acontecimentos do filme Capitão America- Guerra Civil

O bem feito “X-men Apocalipse” | Crítica

20 05

2016


Título: X-men Apocalipse


Direção:
 Bryan Singer

Ano: 2016

Duração: 2 horas e 24 minutos

Nacionalidade: EUA

Gênero: Ação, Fantasia

Nota: nota 5 MIXSEA

NOTA: O POST A SEGUIR CONTÉM SPOILERS DO FILME X-MEN APOCALYPSE. NÃO LEIA SE AINDA NÃO VIU O FILME.

Dia 19/05 estreiou nos cinemas brasileiros o mais novo longa da franquia x-men dos cinemas: X-men Apocalipse. Ambientado nos anos 80 (1983, mais especificamente) o filme tem como base dois segmentos: a (re)criação dos x-men, com o recrutamento dos famosos mutantes Jean Grey, Scott Summers, Noturno, e outros, e a história do lendário vilão Apocalipse.

Tendo como foco o segundo segmento, primeiramente, o vilão Apocalipse ganha o público já na cena de abertura, em que é mostrada de maneira fenomenal a sua história no Egito Imagem de apocalypse, movies, and foxantigo (alguns acreditam ter sido a melhor cena de abertura da franquia desde X-men 2). Milhares de anos depois – vale ressaltar a criatividade da passagem do tempo do Egito Antigo para os anos 1980 –  Apocalipse é ressuscitado e acorda em um mundo completamente diferente do que conhecia, em que os humanos perderam o rumo da humanidade com os seus falsos Deuses e suas superpotências.  Ele parte, então, em busca dos seus Quatro Cavaleiros – peste, guerra, morte e fome – para dar início à reformulação do mundo.

Por outro lado, temos a escola Charles Xavier para jovens superdotados, um tipo de santuário mutante, o lugar em que crianças e jovens podem aprender e viver sem se preocupar com questões como preconceito. Pelo menos enquanto estão ali. Embora o mundo tenha aceitado os mutantes, não quer dizer que ele tenha os abraçado. Crítica que fica clara com o recrutamento de Noturno pela Mística e em um diálogo entre esta e Charles.

Apesar dessa questão de inclusão, sempre presente nos filmes da franquia, uma vez que é exatamente isso que os mutantes representam – minorias da sociedade e a aceitação desta para com aqueles – é emocionante ver a interação dos jovens mutantes – Jean, Scott, Mercúrio e Kurt – entre si e com os mais antigos – Mistica, Fera e, principalmente, Xavier. A química entre o trio mais novo (sem mercúrio, uma vez que ele paira entre os mais antigos, e sem Jubilee, uma vez que a mesma só tem uma participação de fan service no filme) é tangente e nos leva a querer uma exploração maior deles sendo adolescentes – fugindo da escola para ver Star Wars (!).

Além disso, o desenvolvimento individual de vários personagens foi bem explorado durante todo o filme. Jean fica como a grande surpresa, Scott como o personagem cuja personalidade foi mais afetada pelos acontecimentos e Kurt como alívio cômico, sem ser forçado, apenas sendo fiel ao querido personagem dos quadrinhos. Mística é apenas uma figura heroica para os mais novos, sem ser protagonista de tudo, como muitos acharam que aconteceria. Fera é, como sempre, o braço direito de Charles, porém mais incisivo em achar que eles devem se preparar para lutar.

Charles, tão bem interpretado por JamesImagem de cyclops, x-men, and jean grey Mcavoy, se torna o famoso Professor que tanto conhecemos. Mercúrio protagoniza duas cenas míticas e tem seu próprio amadurecimento revelado quando a questão é o seu pai, Magneto, que por sua vez, possui um arco próprio que paira entre um cara normal, vilão e herói. E, por último, não antes citada aqui, Tempestade, bastante criticada até então, mas que, na minha opinião, foi correta no seu papel durante o filme: uma adolescente sem família ou amor, que rouba para viver. Extremamente manipulável por Apocalipse, que lhe dá grandeza. O bom caráter de Ororo não foi totalmente corrompido, como é possível notar no filme e, para ela, podemos apenas esperar mais aparições em que a mesma obtenha protagonismo.

Obviamente um filme com tantos personagens não conseguiria ser eficiente em tratar da história de todos com a mesma importância que cada um merece. No caso de X-men Apocalipse, sendo isso o que o filme mais deixa a desejar, é a pouco exploração de dois cavaleiros: Psylocke (Betsy) e Anjo/Arcanjo (Warren Worthington III). A impressão que esses personagens deixam é que foram usados para “tapar um buraco”, o que é lamentável, uma vez que ambos tem histórias incríveis nos quadrinhos. Embora Psylocke protagonize cenas fantásticas de luta, a personagem mal abre a boca e, do mesmo modo, embora o Anjo protagonize uma das cenas mais fortes do filme (quando ganha as asas metálicas), ele se mostra descartável, inútil. Não há menção alguma sobre de onde esses personagens surgiram, quem eles são de verdade.

Por fim, o filme é feliz em adaptar um dos arcos mais famosos das histórias dos mutantes para o cinema. Os aspectos técnicos, como a voz do vilão, são bons e os personagens tem, todos eles, até os com menos aparições ou falas, a sua importância. O filme transmite seriedade, mas sem forçar, e é cômico na medida correta. Não só os personagens se conectam, mas o filme possui referências de outros filmes da franquia e das HQs. Lembra o desenho X-men Evolution. Quem é fã sai com um sentimento de “finalmente” e quem não é de surpresa.

Veja o trailer:

Fotógrafa retrata a realidade de 5 países onde ler é um ato de ousadia para as mulheres

15 05

2016

Nos países Árabes, um número enorme de mulheres não tem direito à alfabetização básica. A fotógrafa Laura Boushnak visitou alguns estados árabes para documentar o quadro da educação dessas mulheres. A série de fotografias intitulada “Eu Leio, Eu Escrevo” reúne registros de cinco países: Tunísia, Iêmen, Jordânia, Kuwait e Egito.

A Tunísia parece ser o Estado que oferece as melhores condições de ensino para as mulheres. Quando esteve lá, Boushnak concentrou sua atenção no papel das mulheres na militância política. A fotógrafa conheceu a estudante universitária Asma Iê, que tem rabiscada na parede do seu quarto a mensagem “O povo quer a queda do regime”, um slogan popular da Revolução de Jasmim, ocorrida entre 2010 e 2011.

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 2

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 3

Situação completamente diferente da encontrada por Boushnak na região rural do Iêmen, onde as meninas enfrentam salas de aula superlotadas e uma infraestutura precária.

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 4

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 5

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 6

Nos subúrbios de Amã, na Jordânia, Boushnak retrata a alfabetização de mulheres de cinquenta e sessenta anos. Pela manhã, durante duas horas, elas lêem o Alcorão, livro sagrado do Islã, e, depois, praticam o inglês e a matemática.

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 7

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 8

No Kuwait, onde a própria Boushnak cresceu, o número de mulheres que frequentam as universidades é igual ao dos homens. O diretor de uma das escolas visitadas pela fotógrafa acredita numa dupla ênfase em educação e cultura.

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 9

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 10

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 11

Já no Egito, onde dados de um relatório de alfabetização da UNESCO dizem que 34% das mulheres acima de 15 anos são analfabetas, Boushnak conheceu a Associação de Desenvolvimento e Valorização da Mulher, que oferece aulas gratuitas para as mulheres do bairro onde está localizada. Ela diz que muitas das mulheres que frequentam o programa são alfabetizadas, o que permite a elas ler os sinais de trânsito, contar dinheiro, ler prescrições médicas, e, o mais importante, incentivar seus filhos a permanecerem na escola.

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 12

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 13

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 14

Eu Leio, Eu Escrevo MIXSEA.COM.BR 15

“Eu quero aprender a ler e escrever para entender melhor a vida. Meu sonho é ser educada”.

Em uma bela apresentação no TED, a fotógrafa fala um pouco sobre o projeto e como ele a transformou:

Fonte: razoesparaacreditar

© 2017 MixSea | Desenvolvido no Wordpress por Dk Ribeiro