Livros ótimos que viraram jogos a altura

10 05

2016

Já há algum tempo os jogos de videogames são uma potencia no universo das crianças e adolescentes, cada vez mais estes jogos ganham espaço no mercado e viram potência. Os livros andam também se relacionando com o jogos, recentemente alguns games viraram livros, como GTA, Dead Island e Assassin’s Creed, mas falaremos aqui do livro como fonte inspiradora, inspirando jogos de videogame. com uma lista de 10 livros que viraram games:

1- O Último Desejo

SINOPSE: “Geralt de Rívia é um bruxo. Um feiticeiro cheio de astúcia. Um matador impiedoso. Um assassino de sangue-frio treinado, desde a infância, para caçar e eliminar monstros. Seu único objetivo: destruir as criaturas do mal que assolam o mundo. Um mundo fantástico criado por Sapkowski com claras influências da mitologia eslava. Um mundo em que nem todos os que parecem monstros são maus nem todos os que parecem anjos são bons.”

OS JOGOS: Como muitos sabem, já foram lançados 3 jogos da franquia The Witcher (além de dois spin-offs), produzidos pela CD Projekt RED. O primeiro foi lançado em 2007 e começa com Geralt desmemoriado. Gradualmente, ele descobre que é um renomado feiticeiro, com inimigos e amigos em todos os lugares – que lembram dele, mesmo que ele não saiba quem eles são. Na pele de Geralt, são as ações do jogador que vão redefinir esses relacionamentos e escolher que caminho seguir no cenário político que se complica.

Apesar da jogabilidade não ser das melhores e o sistema de lutas ser um tanto estranho (ou tedioso, segundo alguns), o mundo e a história – adaptados dos livros, é claro – fazem deste um bom começo para uma série que melhora a cada jogo.

Por falar nisso, The Witcher 2: Assassins of Kings, lançado em 2011, apresenta gráficos e sistema de lutas bastante evoluídos em comparação ao primeiro, e permite que você importe o jogo concluído para continuar do ponto em que parou antes – considerando que suas decisões determinaram seu final em The Witcher, isso é bem legal. O enredo continua denso, cheio de reviravoltas e temas controversos, mostrando claramente que, neste mundo, não há bem ou mal, apenas escolhas e consequências.

The Witcher 3: Wild Hunt, a aguardada continuação, foi lançada em maio de 2015 e conseguiu agradar seus fãs ansiosos. Neste jogo, os gráficos superaram quaisquer expectativas; embora o jogo requira um PC bem potente para mostrar todo seu potencial, não precisa estar no “ultra” para perceber quão perto da perfeição a CD Projekt RED chegou dessa vez. A 60 quadros por segundo, a fluidez dos movimentos (no PC – nos consoles, Wild Hunt roda a 30 quadros por segundo e apresenta alguns problemas de travamento) e os detalhes nas paisagens, monstros e personagens são uma das coisas mais marcantes deste jogo, aliada ao imenso mapa, por onde inúmeras quests principais e secundárias se espalham, que é de deixar qualquer gamer boquiaberto. Sem surpresa alguma, é um dos fortes concorrentes ao prêmio Game of the Year da E3 (Eletronic Entretainment Expo).

2- O Senhor dos Anéis

SINOPSE: “Alternadamente cômica, singela, épica, monstruosa e diabólica, a narrativa desenvolve-se em meio a inúmeras mudanças de cenários e de personagens, num mundo imaginário absolutamente convincente em seus detalhes. Nas palavras do romancista Richard Hughes, ‘quanto à amplitude imaginativa, a obra praticamente não tem paralelos e é quase igualmente notável na sua vividez e na habilidade narrativa, que mantêm o leitor preso página após página’. Tolkien criou em Senhor dos Anéis uma nova mitologia, num mundo inventado que demonstrou possuir um poder de atração atemporal.”

OS JOGOS: Devido a qualidade dos livros, o grande reconhecimento, e o número de fãs muitos jogos foram baseados nessa história. Uma pesquisa rápida no Google me deu 10 jogos inspirados nessa história, desde a versão LEGO a jogos com histórias inéditas. Considerando que as adaptações mais “fiéis” aos livros ou aos filmes não são lá muito marcantes, vou falar um pouco desses jogos mais exóticos: o já citado LEGO O Senhor dos Anéis, Lord of the Rings: War in the North e Middle-earth: Shadow of Mordor.

LEGO O Senhor dos Anéis (2012): Com grandes doses de humor, o jogo produzido pelaTraveller’s Tales e distribuído pela Warner Bros segue a trilogia cinematográfica e permite que o jogador alterne entre os personagens principais e secundários. Por ser um jogo para o público infantil, algumas mudanças são feitas para deixar a história mais leve, mas qualquer fã de Tolkien teria bons momentos com ele.

Lord of the Rings: War in the North (2011): Desenvolvido pela Snowblind Studios e distribuído pela Warner Bros, é um jogo amplamente descrito como “bom”: gráficos são bons, a jogabilidade é boa, os personagens são bons… Mas, como fã dos livros e/ou filmes, é bastante interessante a ideia de vivenciar o que acontecia no Norte enquanto Frodo e a Comitiva do Anel seguiam seu caminho até a Montanha da Perdição. Apesar dos personagens famosos fazerem “participações especiais”, os protagonistas aqui são uma elfa de Valfenda, um anão de Erebor e um Dúnedan (humano da estirpe de Aragorn), que têm como objetivo matar todos os orcs no caminho do Pônei Saltitante até o Norte. Muitos jogadores reclamam dos bugs frequentes (especialmente aqueles com placa de vídeo ADM), mas a maioria dos fãs é capaz de passar por cima desses problemas em prol de uma história diferente na Terra-média – e com Águias!

Middle-earth: Shadow of Mordor (2014): Desenvolvido pela Monolith Productions e distribuído pela Warner Bros, o jogo se passa no período de 40 anos entre O Hobbit e O Senhor dos Anéis, quando Sauron instalou-se em Mordor e trouxe o mal àquela terra. Apesar de participações dos personagens tradicionais, o foco aqui é Talion, guerreiro humano que perdeu sua família (e sua própria vida) nas mãos de um servo de Sauron. Retornando dos mortos com a ajuda de um wraith – espírito de um elfo – também em busca de vingança, ele parte para Mordor com a missão de matar todo orc em seu caminho até Sauron. Não é um jogo perfeito ou inovador – apesar do sistema Nêmesis, onde seus inimigos “sobem de nível” nos ranks ao matar você –, mas ainda é uma ótima opção para quem quer voltar à Terra-média e viver uma aventura diferente.

 

Este post ainda não acabou, clique para ler mais

Este post ainda não acabou, clique para ler mais

Continue lendo »

Os 150 anos de Alice no País das Maravilhas e seus mistérios ainda não revelados

24 12

2015

Alice fez 150 anos neste ano (2015), mas a sua história atemporal e fascinante continua um clássico para leitores de todas as idades até hoje. A garotinha que chega ao País das Maravilhas alcançou um público muito maior do que as crianças do século 19, e isso não pouca coisa, afinal, são 150 anos de história, de gerações de admiradores.

O diferencial de “Alice no País das Maravilhas” na época em que foi lançada foi o foco da própria história. Antes, as histórias eram focadas em mostrar a educação moral às crianças, eram para ensinar a boa conduta aos jovens. Lewis Carroll mudou tudo isso quando criou uma história para entretenimento e para incentivar a imaginação.

Na história de Carroll, Alice não confia nos adultos, acha eles ilógicos, ela vive em mundo muito confusos e faz várias descobertas sobre ela mesma; dá conselhos de boas maneiras mas também reprime os habitantes do País das Maravilhas. Por essas particularidades, “Alice no País das Maravilhas é considerada uma virada na literatura infantil, ela mostra uma revisão das maneiras com que adultos e crianças se relacionavam, e consequentemente eram retratados na literatura.

O sucesso de Alice através do mundo pode estar relacionado à essência britânica do livro: no País das Maravilhas temos uma rainha, festas e chás, empregadas domésticas e jogos de croquê. Isso tudo nos dá uma visão nostálgica de uma sociedade vitoriana idealizada, e são os mesmos elementos que tornaram Harry Potter tão conhecido também, já na atualidade.

E como qualquer história de sucesso, existem várias teorias obscuras sobre a menina Alice e o escritor Lewis Carroll, mas que não fazem sentido (e não importam) para a literatura em sí. Algumas dessas teorias diz que Alice foi estuprada, outra diz que Alice era viciada em drogas e por isso imaginou tantas coisas, inclusive porque aparece a lagarta fumante na história, outra diz que Carroll era um pedófilo e construiu a história para conseguir a menina na vida real. O que importa, é que nada disso importa (e nenhuma dessas histórias conseguiu embasamento suficiente para serem verdadeiras- e nem vão conseguir), já que nada diminuirá a grandeza deste grande clássico.

Qualquer pessoas que leia “Alice no País das Maravilhas” perceberá que é um texto aberto, em que podemos ter vários significados, e preferimos aceitar aquele que está voltado para a nossa perspectiva. É por isso também que a história sobrevive tão forte até hoje, por essa capacidade de ser versátil, de podermos ver diferentes significados em diferentes contextos.

Lembrando que, Alice foi escrita por um matemático. Carroll adoraria saber que seu livro continua um enigma. Ao longo deste 150 anos, tivemos várias traduções, adaptações e versões desa história, e com certeza teremos muito mais por vir desta história que nos leva a lugares maravilhosos.

© 2017 MixSea | Desenvolvido no Wordpress por Dk Ribeiro